segunda-feira, 23 de março de 2015

Estudo mostra que pais podem ajudar a criar pequenos narcisistas

Estudo mostra que pais podem ajudar a criar pequenos narcisistas
Se você acha que seu filho é ‘mais especial’ que outros, uma pesquisa americana apontou que é melhor mudar a abordagem
Estudo envolveu 565 crianças na Holanda que tinham de 7 a 11 anos - Reprodução/Pixabay
PUBLICIDADE

RIO - Pais que exageram nos elogios a seus filhos podem levar suas crianças a ofuscar os colegas em um quesito: o narcisismo. Uma pesquisa da Universidade de Ohio que teve por objetivo encontrar as origens do amor próprio sugere que os pais que supervalorizam seus pequenos podem incutir neles o desenvolvimento de traços de vaidade exagerada, o que pode levar a comportamento agressivo e um maior risco de problemas de saúde mental.
Enquanto os perigos do narcisismo já são bem conhecidos, pouco se sabe sobre suas origens, de acordo com Brad Bushman, coautor do estudo e professor de comunicação e psicologia na Universidade de Ohio. Publicado na edição on-line da revista “Proceedings”, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, este é o primeiro estudo a abordar como esse traço de personalidade se desenvolve ao longo do tempo.
As crianças acreditam quando seus pais lhes dizem que eles são mais especiais do que os outros. Isso pode não ser bom para eles ou para a sociedade”, disse Bushman, que conduziu o estudo com o principal autor Eddie Brummelman, pesquisador de pós-doutorado na Universidade de Amsterdã, na Holanda.
Assim, ainda que com a melhor das intenções, os pais acabam errando na mão enquanto pensam que estão ajudando na autoestima.
O estudo envolveu 565 crianças na Holanda, que tinham de 7 a 11 anos quando o estudo começou, e seus pais. Eles completaram pesquisas quatro vezes, a cada seis meses de intervalo. A supervalorização parental das crianças foi medida com uma escala que se baseava no quanto mães e pais concordaram com afirmações como “Meu filho é um grande exemplo para as outras crianças seguirem”. Em seguida, as crianças e os pais relataram o quanto os pais mostraram calor emocional, com os participantes, indicando o quanto eles concordaram com afirmações como “Meu filho/minha filha sabe que eu amo ele/ela” (ou “Meus pais falam que me amam”).
Os níveis tanto de narcisismo quanto de autoestima dos pequenos foram medidos. Ao contrário do que muitos pensam, afirmam os pesquisadores, narcisismo não é apenas autoestima concentrada. Neste estudo, as crianças com alta autoestima, ao invés de ver a si mesmos como mais especial do que os outros, concordaram com as declarações que sugeriam que elas estavam felizes consigo mesmas e gostava de quem eram.
“As pessoas com autoestima elevada acham que elas são tão boas quanto as outras, ao passo que os narcisistas acham que são melhores do que os outros”, disse Bushman. “A supervalorização previu narcisismo, não autoestima, enquanto que o afeto previu autoestima, não narcisismo”, disse Bushman.

Um estudo anterior por Brummelman, Bushman, e vários colegas tentaram medir o quanto alguns pais realmente acreditam que seus filhos são os melhores. Neste estudo, tópicos como o astronauta Neil Armstrong e o livro “Revolução dos Bichos” foram apresentados à família de jovens 8 a 12 anos de idade. Os pais foram, então, convidados a responder quão familiar esses itens eram para seus filhos. No entanto, os pesquisadores também incluíram itens que não existiam, como a “Rainha Alberta” e “O Conto do Coelho Benson”.
“Os pais que supervalorizavam tendiam a afirmar que o seu filho tinha conhecimento de muitos temas diferentes - mesmo os inexistentes”, disse Brummelman.
No entanto, a supervalorização não é a única causa do narcisismo em crianças. Assim como outros traços de personalidade, é em parte resultado da genética e os traços temperamentais dos próprios filhos - isso é, uma criança pode ser mais propensa que outra a ser narcisista.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/estudo-mostra-que-pais-podem-ajudar-criar-pequenos-narcisistas-15545501#ixzz3U2fpwcoa
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

2 comentários:

  1. Olá! Em primeiro lugar, gostaria de reconhecer e agradecer a seriedade do blog: leio avidamente todas as matérias e elas são fontes de reflexão e aperfeiçoamento da educação que procuro oferecer ao meu filho. Sobre esse texto, especificamente, paira uma dúvida atroz: qual a medida? Entendo bem, com base em outros textos, do qual destaco o estudo do Daniell Golleman no livro Inteligência Emocional, que afirmam que a questão central para formação da estima não reside em se elogiar em demasia. E sim, procurar na medida em que as crianças superem desafios, cumpram tarefas, obedeçam, por exemplo. Mas, por outro lado, penso que incentiva-las com palavras que as levem a ser melhores, demonstrando amor e benevolência, não fazem com que as tornem narcisistas. Muito difícil achar o equilíbrio dessa questão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Sueli ! :) Concordo com a sua colocação !

      Excluir