sábado, 21 de março de 2015

Síndrome que dá génios ao mundo

Síndrome que dá génios ao mundo


A síndrome de Asperger tem sido identificada naqueles que são considerados os maiores génios da humanidade. De Einstein a Newton, de Van Gogh a Bill Gates, A OBSESSÃO E ISOLAMENTO PRÓPRIOS DESTA DOENÇA FEZ COM QUE ESTES TIVESSEM SIDO OS MELHORES NAS SUAS ÁREAS. Computadores pessoais, filmes e teorias científicas podem ter sido fruto desta síndrome.

O comportamento de Bill Gates, dono da Microsoft e inventor do Windows, não passa despercebido nas reuniões: Balança-se mecanicamente para a frente e para trás na cadeira e faz o mesmo nos aviões. Não gosta de manter contacto olhos nos olhos e tem pouca habilidade social. Estas características são citadas no livro Thinking in Pictures do médico norte-americano Temple Grandin, especialista em síndrome de Asperger, e indicam que Gates sofre da síndrome de Asperger.

Este é o nome dado a uma série de problemas que afecta algumas crianças, e também adultos, quando tentam comunicar com os outros. Focam-se numa área, como matemática ou línguas, e tornam-se obsessivos. São normalmente inteligentes, mas apesar de dominarem a linguagem e o vocabulário, não os conseguem usar em contexto social.

Um dos casos mais extremos de Asperger será o do pintor holandês Vincent Van Gogh. Nascido em 1853, só vendeu um quadro em toda a vida. Em criança gostava de ficar sozinho e tinha dificuldade em relacionar-se. Os acessos de raiva eram frequentes e parecia estar sempre noutro mundo. Só descobriu o talento para a arte aos 27 anos e suicidou-se em 1890 sem ter conseguido cumprir o que se lhe pedia enquanto homem nessa época: constituir família e subsistir sozinho.

Albert Einstein só começou a falar aos três anos de idade, mas isso não o impediu de formular a teoria da Relatividade e de se tornar um génio. A autora Illana Katz, no seu livro In a World of His Own: A Storybook About Albert Einstein, relata que o alemão "era um solitário sem amigos que tinha receio de multidões". Até aos sete anos repetia frases para si próprio. Em adulto, as suas aulas eram confusas e absorvia-se tanto nos problemas da física que esquecia o mundo à sua volta. Mas Glen Elliott, psiquiatra da Universidade de São Francisco (EUA), nega o autismo do físico: "A impaciência com a lentidão intelectual dos outros, narcisismo e paixão por uma missão de vida pode tornar os indivíduos isolados e de difícil interacção." Até que, segundo relatos da época, Einstein tinha bom sentido de humor, algo difícil de encontrar em alguém com avançado estado da síndrome de Asperger.


Nenhum comentário:

Postar um comentário