quarta-feira, 4 de junho de 2014

SOBRE A DECISÃO DA JUSTIÇA QUE DERRUBOU A DATA/CORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

Extraído do site da Professora Sonia Aranha : http://www.soniaranha.com.br/entrevista-na-tribuna-de-santos-sobre-a-decisao-do-tj-sp/


Para ler a minha opinião sobre este assunto, clique aqui, neste link



3 comentários:

  1. Aqui o que está em mérito é o caso do aluno excepcional para mais, o superdotado, mas devemo9s estender ao subdotado. Já tive o caso de um aluno muito fraco que não tinha condições de acompanhar a classe, e não pode ser matriculado em série anterior, pois a legislação estadual não permite. A mãe consciente pedia isto e não podia ser atendida. Por outro lado, ser avaliado individualomente, onde encontrar adultos maduros o suficiente para o fazerem?

    ResponderExcluir
  2. Aqui o que está em mérito é o caso do aluno excepcional para mais, o superdotado, mas devemo9s estender ao subdotado. Já tive o caso de um aluno muito fraco que não tinha condições de acompanhar a classe, e não pode ser matriculado em série anterior, pois a legislação estadual não permite. A mãe consciente pedia isto e não podia ser atendida. Por outro lado, ser avaliado individualomente, onde encontrar adultos maduros o suficiente para o fazerem?

    ResponderExcluir
  3. Neste caso do artigo em questão, não estamos falando de aceleração de série para alunos superdotados, mas, de data/corte. Não se se você se atentou para o artigo todo. Porém, eu tb já tive casos de pais que me procuraram para reter o filho, mas, a escola se recusava pela questão da idade/série. É o mesmo motivo pelo qual a escola se recusa a aceitar a matrícula do aluno com capacidade, mas, que não tem a "idade" exigida pelo Conselho de Educação. No caso, uma avaliaçao psicopedagógica, comprovando que a criança estará melhor, se retida, poderá ajudar na ação judicial, que pedirá autorização para que o aluno possa ser retido de série.

    ResponderExcluir