segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Existe uma relação entre Bullying e superdotados?





Extraído do site : http://ocientista.com.br/bullying-e-superdotados-existe-uma-relacao/


Por Rodrigo Ferreira em 6 de fevereiro de 2013




Bullying




Nos últimos anos, um tipo específico de violência escolar tem atraído tanto a atenção da literatura especializada quanto da grande mídia, sendo inclusive considerado um problema de saúde pública: o bullying. O fenônemo se refere aos comportamentos agressivos, físicos ou não, praticados intencionalmente e repetidamente, onde os envolvidos possuem uma relação desigual de poder.


Especialistas apontam que o bullying tem maior probabilidade de ocorrer entre crianças e adolescentes com necessidades educacionais especiais, grupo esse que abrange crianças com deficiências mentais, com dificuldades de aprendizagem e com altas habilidades (superdotados). Dois pesquisadores da Universidade Federal de Juiz de Fora publicaram um artigo na revista Psicologia: Reflexão e Crítica onde descrevem sua pesquisa sobre como o bullying ocorre entre os alunos com e sem altas habilidades.


Para isso, os psicólogos Juliana Oliveira e Altemir Barbosa aplicaram um Questionário de Bullying a 339 alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental de uma escola pública da zona da mata em Minas Gerais, sendo 148 (43,7%) do sexo masculino. Do total de alunos, 59 (17,4%) foram identificados previamente com altas habilidades, sendo que 25 (42,4%) destes eram do sexo masculino.


Os pesquisadores constataram que não houve diferença em relação ao envolvimento com bullying. Ambos os grupos de alunos com e sem altas habilidades apresentaram um envolvimento em torno de 30%. Mesmo quando os grupos foram subdivididos em vítimas, agressores e vítimas-agressivas não foi encontrada diferença significante. No que se refere ao tipo de agressão (físicas, não físicas ou ambas) os resultados também foram semelhantes. O estudo revelou também que os alunos com habilidades especiais apresentam comportamento de auxílio às vítimas de bullying mais frequente do que os do outro grupo, e que entre esses alunos aqueles com habilidade especial para artes tendem a ser mais vitimizados do que os alunos com habilidades em outros domínios.


Os cientistas reconhecem as limitações do estudo realizado e encorajam outras pesquisas que venham a utilizar métodos mais completos e amostras mais amplas, entretanto acreditam que a pesquisa levanta algumas questões importantes, entre elas estão estimular as instituições de ensino para que trabalhem para prover um ambiente saudável e seguro, incentivar os alunos a relatarem os casos de bullying que venham a sofrer ou presenciar e despertar as famílias, escolas, sociedade e responsáveis por políticas públicas para a importância do problema e da sua prevenção.


Artigo: OLIVEIRA, J. C.; BARBOSA, A. J. G. Bullying entre estudantes com e sem características de dotação e talento. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 25, n. 4, p. 747-755, 2012. [ Link ]




Nenhum comentário:

Postar um comentário