sábado, 28 de abril de 2018

Suicídio e o estudante superdotado


Extraído de : PFEIFFER Steven I.,.SPECIAL SECTION: CREATIVITY AND GIFTEDNESS. Gifted students with a coexisting disability: The twice exceptional. 

Encontrei, em minhas pesquisas sobre dupla excepcionalidade, este trecho de um artigo acadêmico, que trago como referência acima, bem como indico o link em que o artigo original pode ser encontrado e que trata do suicídio entre superdotados. Por incrível que pareça, não há pesquisas comprovando que é maior o índice de suicídios entre jovens superdotados. Ainda bem, né ? Mas, é bom ler o que diz este trecho e, por que não o artigo todo..rs.., sobre o suicídio em jovens superdotados. Boa Leitura ! 

Resultado de imagem para Suicídio



TRADUÇÃO :

Suicídio é, claro, não uma deficiência. Uma discussão sobre suicídio está incluída por duas razões. Primeiro, o suicídio é um risco de saúde mental global muito sério e muito real para adolescentes, incluindo adolescentes dotados. O suicídio é a terceira principal causa de morte entre os adolescentes nos EUA; cerca de 10 em 100.000 15-a 24 anos de idade com sucesso completo suicídio anualmente nos EUA (Associação Americana de suicidologia, 2004; Centro Nacional de estatísticas de saúde, 2006). Não há pesquisa sobre a prevalência de suicídio tentado e completo entre os adolescentes dotados (Cross, 2008; na imprensa). No entanto, os poucos estudos que existem sugerem que a incidência de depressão e ideação de suicídio é semelhante para os adolescentes dotados e não dotados (Baker, 1995). Não há nenhuma evidência para sugerir que a prevalência de suicídio seria maior ou para essa matéria, menor para a juventude dotada. O suicídio e a depressão são frequentemente associados na mente pública com indivíduos dotados, particularmente talentosos artistas.

Cross (2008; na imprensa) aponta que o comportamento suicida representa pelo menos quatro categorias de comportamentos: ideação suicida, gestos suicidas, tentativas suicidas, e conclusão de suicídio. Acredita-se geralmente que a ideação suicida existe a algum grau antes que um gesto, uma tentativa, ou uma conclusão bem sucedida ocorrem. Ideação de suicídio é um comportamento de alta freqüência entre os adolescentes, particularmente entre os jovens com baixa auto-estima, sentimentos de depressão e alienação, e acadêmico, grupo de pares e/ou dificuldades familiares. A ideação do suicídio não conduz necessariamente aos gestos ou às tentativas suicidas, mas não obstante deve sempre ser tomado seriamente. Ideação suicida é mais predominante entre as meninas do que os meninos, e isso parece igualmente verdadeiro para as meninas dotadas (Cross, Cassady, & Miller, 2006). 

Não há nenhuma evidência de pesquisa, no entanto, indicando que os jovens dotados estão em maior risco de ideação suicida, gestos, tentativas ou conclusão (Cross, na imprensa). A ressalva a esta afirmação é que há muito pouca evidência de pesquisa disponível para concluir que o talentoso não estão em mais risco do que seus pares não-dotados para comportamentos suicidas. Pode-se facilmente argumentar que os dotados estão em risco aumentado para comportamentos suicidas, como Webb et al. (2005) sugerem quando se discute por que as crianças dotadas são mais propensos a experiência  "depressão existencial " por causa de sua capacidade de contemplar questões sobre existência e perceber que eles estão essencialmente sozinhos no mundo. Um poderia facilmente argumentar, no entanto, que os dotados estão em risco reduzido para comportamentos suicidas, porque suas habilidades cognitivas avançadas representam a resolução de problemas avançados, lidar e habilidades de mestria.

É razoável supor que as taxas de prevalência para ideação suicida, gestos, tentativas e conclusões bem-sucedidas não são marcadamente diferentes para crianças e adolescentes dotados do que é relatado para a população em geral. Crianças dotadas e adolescentes se engajam em comportamentos suicidas, assim como seus colegas não dotados. Fatores de risco associados ao suicídio entre os adolescentes incluem: abuso de drogas e álcool, história familiar para suicídio, abuso físico ou sexual, tentativas suicidas anteriores, impulsividade, distúrbios psiquiátricos, como transtorno bipolar, depressão ou luto devido à perda de um amigo próximo ou membro da família. Fácil acesso a métodos letais é o fator de risco número um (Davidson & Linnoila, 1991).


TEXTO ORIGINAL :

Suicide and the gifted student

Suicide is, of course, not a disability. A discussion on suicide is included for two reasons. First, suicide is a very serious and very real global mental health risk for adolescents, including gifted adolescents. Suicide is the third leading cause of death among adolescents in the USA; about 10 in 100,000 15- to 24 year olds successfully complete suicide annually in the USA (American Association of Suicidology, 2004National Center for Health Statistics, 2006). There is no research on the prevalence of attempted and completed suicide among gifted adolescents (Cross, 2008; in press). However, the few studies that do exist suggest that the incidence of depression and suicide ideation is similar for gifted and non-gifted adolescents (Baker, 1995). There is no evidence to suggest that the prevalence of suicide would be greater or for that matter, lesser for gifted youth. Suicide and depression are often associated in the public mind with gifted individuals, particularly gifted artists.
Cross (2008; in press) points out that suicidal behavior represents at least four categories of behaviors: suicidal ideation, suicidal gestures, suicidal attempts, and suicide completions. It is generally believed that suicidal ideation exists to some degree before a gesture, attempt, or successful completion takes place. Suicide ideation is a high frequency behavior among adolescents, particularly among youngsters with low self-esteem, feelings of depression and alienation, and academic, workrelated, peer group and/or family difficulties. Suicide ideation does not necessarily lead to suicidal gestures or attempts, but nonetheless should always be taken seriously. Suicidal ideation is more prevalent among females than males, and this appears equally true for gifted females, as well (Cross, Cassady, & Miller, 2006). 

There is no research evidence, however, indicating that gifted youth are at greater risk for suicidal ideation, gestures, attempts, or completions (Cross, in press). The caveat to this statement is that there is very little available research evidence to conclude that the gifted are at no more risk than their non-gifted peers for suicidal behaviors. One could easily argue that the gifted are at heightened risk for suicidal behaviors, as Webb et al. (2005) suggest when discussing why gifted children are more likely to experience "existential depression" because of their ability to contemplate issues about existence and realize that they are essentially alone in the world. One could just as easily argue, however, that the gifted are at lowered risk for suicidal behaviors because their advanced cognitive abilities represent advanced problem-solving, coping and mastery skills.

It is reasonable to assume that the prevalence rates for suicidal ideation, gestures, attempts, and successful completions are not markedly different for gifted children and adolescents from what is reported for the general population. Gifted children and adolescents do engage in suicidal behaviors, just like their non-gifted peers. Risk factors associated with suicide among adolescents includes: drug and alcohol abuse, family history for suicide, physical or sexual abuse, prior suicidal attempts, impulsiveness, psychiatric disorders such as bipolar disorder, depression, or bereavement due to loss of a close friend or family member. Easy access to lethal methods is the number one risk factor (Davidson & Linnoila, 1991).

Nenhum comentário:

Postar um comentário