sábado, 13 de junho de 2015

Estudantes com altas habilidades ou superdotação

Extraído de : http://www.unespciencia.com.br/?p=1879

 KInd vor einer Tafel mit Formeln
O tema Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD) tem despertado o interesse de muitos educadores. Afinal, desde a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) de 1996, esse estudante passou a ser considerado público alvo da educação especial!
Mas, você tem estudantes com AH/SD em sua sala? E em sua escola?

Se a resposta for negativa é preciso refletir. Segundo a Organização Mundial de Saúde as AH/SD ocorrem numa proporção de 3 a 5%, e essa proporção pode aumentar se a avaliação for do tipo multimodal e se considerarmos outros tipos de AH/SD além do acadêmico.

Vamos ponderar: se sua escola tiver 600 estudantes, isso significa que pelo menos 12 deles têm AH/SD! É um número interessante não é mesmo?

E como trabalhar com esses estudantes? A nossa legislação estadual paulista e federal preconiza que o atendimento educacional ao estudante com AH/SD deve ser embasado no aprofundamento e enriquecimento curricular.

Para tanto, uma das possibilidades refere–se às Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC), que se trata dos recursos existentes relacionados à internet como o computador, o laptop, o tablet, o smartphone, entre outros.

As TDIC são relevantes para o trabalho com estudantes com AH/SD. Por meio delas é possível planejar estratégias de enriquecimento curricular conforme o tipo de AH/SD que seu estudante apresenta, de acordo com sua área de interesse. Jogos, vídeos, softwares, pesquisas em sites de universidades nacionais ou internacionais, etc.

Imaginemos que você planeje com o seu estudante uma pesquisa num site de uma universidade internacional. Ali ele poderá explorar textos em outra língua, hipertextos que poderão auxiliá-lo a aprofundar temas, pesquisas de acordo com a área de interesse dele… tudo isso além do próprio texto do site!

Outro exemplo: sabemos que a maioria de nossos adolescentes possui smartphone, que tal eles baixarem vídeos de experimentos de laboratórios? E com a sua mediação testar esses experimentos? Essa é somente uma etapa, eles poderão recriar o vídeo, com a sua experiência e compartilhar com seus amigos pelo WhatsApp, podendo atuar ainda como instrutores dos colegas de sala no recurso/experimento utilizado!

As possibilidades de estratégias com as TDIC são inúmeras e você poderá usar a sua criatividade! Mas, o que fazer se você como professor não tem habilidades com as TDIC? É preciso se atualizar e para isso a formação continuada é importante!

Pensando em sua formação, o Núcleo de Educação a Distância da Unesp tem oferecido cursos em diversas áreas. No curso “Especialização na área de Altas Habilidades/Superdotação” nossos cursistas podem aprender mais sobre TDIC na disciplina “Tecnologia da Informação e da Comunicação”; dos autores Dr. Miguel Claudio Moriel Chacon e a doutoranda Ketilin Pedro (ambos da Unesp Marília), onde podem explorar diversos recursos tecnológicos e planejar ações para seu estudante com AH/SD.


Que tal abraçar o desafio da formação continuada?

Nenhum comentário:

Postar um comentário