quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Saiba como escolher a escola adequada para seu filho



Kamille já estudou na escola em que matrículou sua filha, Luísa - José Patrício/Estadão Conteúdo

Kamille já estudou na escola em que matrículou sua filha, Luísa

Busca deve ser orientada pelos valores da família e perfil do aluno, dizem especialistas

Bárbara Ferreira Santos - Estadão.edu

Quem está insatisfeito com a escola do filho, quer transferi-lo no fim do ano, mas ainda não fez a escolha, deve correr: o período de matrículas para 2014 já está aberto.


José Patrício/Estadão Conteúdo

Especialistas são unânimes em afirmar que não existe uma escola ideal para todos, mas aquela que se adapta melhor ao que a família busca e ao perfil do aluno. Confira os fatores que mais influenciam na tomada de decisão e depoimentos de pais.


1. Perto de casa ou do trabalho dos pais

Enfrentar horas de trânsito pode ser estressante para as crianças. Por isso, a maioria das famílias prefere que o filho estude perto de casa. Há quem opte, porém, por um colégio próximo do trabalho dos pais. Quézia Bombonatto, presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia, alerta: “Estudar muito longe de casa pode dificultar a convivência e a participação dos colegas nas festinhas”.


2. Preço do curso 

Além do valor da matrícula e da mensalidade, os pais têm de considerar os gastos com material, eventos e viagens. 

“É preciso pesquisar bastante. Escolas com propostas pedagógicas semelhantes podem ter uma grande diferença de preço. Quem cobra muito mais fatalmente perde o aluno para a concorrência”, diz Benjamin Ribeiro da Silva, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo.

3. Sistema: livro didático ou apostila?

Outro fator é se a escola usa livro didático ou apostila. Há professores que rejeitam as apostilas, dizendo que elas engessam o trabalho. Para outros, elas facilitam. A empresária Maria Augusta Ramos transferiu o filho Roberto Soares Brandão Filho, de 13 anos, para um colégio com apostilas - e gostou. “Facilita a organização e o conteúdo é condensado. Para o meu filho funcionou.”

4. Humanista ou com foco no vestibular

Muitos colégios não dizem claramente, mas nas visitas é possível identificar se a instituição é tradicional, com foco no vestibular, ou humanista, que privilegia o desenvolvimento e a criatividade do aluno. A psicóloga Patrícia Garbelotto escolheu para a filha de 1 ano uma escola construtivista. “Vou tentar manter essa opção mesmo quando ela crescer. Quero que ela seja livre, que não fique só presa aos livros.”

5. Opinião de pais que têm filhos na escola

Um dos principais conselhos dos especialistas é que a família converse com outros pais que têm filhos na escola, para saber se o discurso da instituição é colocado em prática no dia a dia. Foi o que fez a assistente de marketing Kamille Crotti Haolla, mãe de Luísa Matarazzo Haolla Deus, de 3 anos. Além de pais, ela buscou professores, pois havia estudado na escola e conhecia a maior parte deles. “Também a levei a um evento no colégio para ver a reação dela”, conta.

6. Português ou dois idiomas

Na maioria das escolas, as aulas são dadas em português e o inglês é ensinado duas vezes por semanal. Mas há as que optam pelo ensino bilíngue - com currículo brasileiro, internacional ou com ambos. A aposentada Maria de Lourdes Teruel Martins escolheu para a filha, Christiane, de 13 anos, uma escola internacional. “Ela sairá com fluência no inglês, já que 60% das aulas são nesse idioma, e com dois currículos. Poderá prestar vestibular onde quiser.”

7. Meio período ou integral 

Para os pais que precisam do horário estendido, o fato de a escola oferecê-lo ou não é decisivo. Avalie quais atividades são oferecidas no contraturno e como o colégio se organiza. “Minha filha de 7 anos ficava com crianças menores e não se adaptou. Resolvemos deixá-la na mesma escola, em meio período”, diz o administrador Ailton Lopes.

8. Religiosa ou laica 

Muitos pais acreditam que a educação não deve ser influenciada pela religião. Já outros querem que a escola siga os valores religiosos da família. A analista financeira Karen Roth Setton só colocou o filho de 6 meses na escola porque era uma instituição judaica. “Lá eu confio 100%.”



Nenhum comentário:

Postar um comentário