quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

O QUE É SUPERDOTAÇÃO, segundo a definição de Linda K. Silverman ?



Texto de e autoria de Linda Kreger Silverman, Ph.D., psicóloga e diretora do Centro de Desenvolvimento Infantil Gifted em Denver (1-888-GIFTED1). Adaptado por Álaze Gabriel.



Cada presente contém um perigo. O dom que temos, somos compelidos a expressar. E se a expressão de que o presente é bloqueado, distorcida, ou apenas permitido a definhar, em seguida, o dom se volta contra nós, e nós sofremos. (Johnson, 1993, p 15.).




O que é a superdotação? Esses são certamente termos que deixam as pessoas desconfortáveis. Lembro-me de uma noite de volta às aulas em 1976 e oferecendo-se para encontrar um mentor para qualquer criança que queria aprender algo que ele ou ela não estava aprendendo na escola. Não houve custo para o mentor. Tudo que os pais tinham que fazer era se juntar à Associação Boulder para o Gifted por US$ 5 por ano. Eu não tinha compradores. Um pai me parou depois e disse algo no sentido de que sua filha estava lendo vários anos acima do nível do grau, e tinha um laboratório de química no porão, etc, mas ele estava "certo" de que sua filha não era superdotada !




Desde aqueles dias, tenho me esforçado para descobrir o que significa o termo superdotado para pessoas diferentes. A maioria do meu trabalho tem sido com os pais, e eu comecei a perceber que as mães geralmente consultam o Centro de Desenvolvimento de Superdotados (GIFTED) para saber sobre testes, enquanto os pais muitas vezes veem a avaliação com ceticismo.




Quando falei com grupos de pais e mães sobre o superdotação, apercebi-me de que as mães acenaram e sorriram e os pais se sentaram com os braços cruzados e pontos de interrogação em seus rostos. Um pai veio até mim depois de uma apresentação e me contou sobre seu filho, que havia vencido todos os tipos de prêmios como um estudioso da Universidade de Stanford, mas ele também estava certo de que seu filho não era superdotado. Perguntei-lhe: "O que ele tem que fazer para ser reconhecido em seus olhos?" O pai respondeu: "Bem, ele não é algum Einstein."




Então me deparei com um estudo em que o pesquisador pensou em mães reconhecendo uma criança na família como superdotado para suas "necessidades especiais." Uma descoberta acidental deste estudo foi que, quando a escola tinha reconhecido a criança como superdotado, tendo os pais negado a situação, o caso culminou em sérios conflitos conjugais (Cornell, 1984). Foi quando a lâmpada acendeu para mim. Eu percebi que as mães e os pais estavam definindo dons de forma diferente. Quanto mais eu pensava sobre isso, mais esclarecimentos obtia sobre o tema. Tornei-me convicta de que os escritores do sexo masculino no campo tendem a ver a sobredotação muito parecido com os pais que eu tinha e, em contrapartida, a maioria dos escritores do sexo feminino pareciam compartilhar a perspectiva das mães (Silverman, 1986; & Silverman Miller, 2007).




Homens igualam a superdotação à realização. Não consegue separar uma pessoa superdotada de elevado status social, muitos títulos honoríficos, excelentes condições financeiras, muita fama e sucesso em todos os aspectos. Após testarmos certo filho, seu pai nos disse: "Ele é tem apenas cinco anos. O que é que ele poderia ter feito em cinco anos para ser superdotado?". As mulheres, entretanto, percebem e reconhecem a sobredotação como o avanço do desenvolvimento humano. Se uma mãe vê que a sua filha está pronunciando nomes de objetos em 11 meses, memorizando livros em 17 meses e fazendo perguntas complexas antes de ela ter completado seus dois anos de idade, ela naturalmente fica muito ansiosa. Indaga-se: "Como é que minha filha vai se encaixar com as outras crianças na escola, no trabalho ou mesmo na sociedade em geral?", "O ​​que o (s) professor (es) farão com ela se ela já está lendo no jardim de infância?", "Será que eu deveria esconder os seus livros?”, “Mas eu não quero que eles pensem sou apenas mais um "pai agressivo" dessa humanidade.




Desenvolvendo-se muito mais rápido que as outras crianças, os superdotados acabam se tornando, desde a infância até a juventude, pessoas vulneráveis, e as mães estão conscientes dessa vulnerabilidade. São alvos de críticas maliciosas na educação infantil por parte dos professores leigos no assunto, incapazes de diagnosticar a superdotação. São alvos da arrogância e da inveja alheia na mesma proporção em que seus extraordinários talentos vão se tornando notáveis no meio acadêmico, profissional, esportivo, religioso, familiar, enfim, social de uma forma geral. Não raro são perseguidos, difamados, caluniados, ridicularizados e expulsos de organizações insensíveis e/ou leigas no assunto.




Os superdotados já não podem mais ser ignorados. Nossa sociedade tem muito a desfrutar de suas realizações, mormente na sua fase adulta, isso se os mesmos receberem desde a tenra infância todo o apoio de que necessitam. O temor paterno e materno de "O que vai acontecer com o meu filho?" sobe em suas gargantas; decerto devem chamar um especialista para orientação sobre os progressos de seu filho. Apesar do mito de que "Todos os pais pensam que os filhos são superdotados", nove em cada dez dos pais, que fazem um telefonema para o Centro de Desenvolvimento de Superdotados estão indubitavelmente corretos.




A visão de conquista da superdotação tem estado conosco desde o início, com Sir Francis Galton (1869), estudioso sobre homens brilhante em nossa sociedade. Hoje, os educadores ainda estão procurando as crianças que têm o potencial de ser homens brilhantes, superdotados e/ou gênios. A criança superdotada na escola é, sem dúvida alguma, vencedora de concursos, ganhadora de graus e prêmios, tanto na adolescência como na juventude e na sua vida adulta. Gosta de participar de várias organizações simultaneamente. Apresenta diligência, criatividade, inteligência, capacidade de liderança, hipersensibilidade, percepção extra-sensorial e interesse social multidisciplinar ímpares. Note que a superdotação é a fusão concomitante de todos esses elementos em um nível hipermegaultraavançado.





A sociedade exige muito dos superdotados, muitas vezes rotulando-os de perfeitos ou donos da verdade. Lembremo-nos de que nem Jesus Cristo, embora perfeito, não sabia tudo (Vide em Mateus 24:36); Einstein, Freud, Darwin, Newton, Galileu Galilei, Bháskara, Karl Marx, Da Vinci, Betoween, dentre outros gênios da humanidade jamais foram perfeitos tampouco sabiam tudo. Logo, superdotação não é sinônimo de oniciência ou perfeição. A superdotação é mentalidade hiperdenvolvida, intelectualidade muito acima da média da população mundial, por isso denominada “superior”, espiritualidade e competência incomparável com a dos demais humanos imperfeitos. Claramente, os superdotados são os indivíduos com maior potencial para a realização em nossa sociedade competitiva. A superdotação é tudo isso. Nossos superdotados podem e devem ser aproveitados para nos ajudar a solucionar os gargalos sociais do mundo, como, por exemplo, o da gestão de recursos humanos nas organizações, o da logística mundial, o da produtividade de recursos para o século XXI, o da crise econômica e energética mundial, dentre outros, como o controle das calamidades advindas de fenômenos físicos como enchentes, furações, tsunamis, avalanches, terremotos, maremotos, tempestades, etc. Não há motivos justos para discriminarmos ou excluirmos de nosso meio tais pessoas tão talentosas e úteis.





Quando nós igualamos superdotação com a realização na escola, ou com o potencial para a realização notável na vida adulta, criamos um critério desigual para crianças de cor, as crianças que são economicamente desfavorecidos, e as do sexo feminino. Ao longo da história, aqueles que alcançam a genialidade foram predominantemente do sexo masculino de classe brancos, médio ou superior (Hollingworth, 1926; Silverman & Miller, 2007). A título de contraste, superdotação e daltônico, é encontrado em proporções iguais em homens e mulheres (Silverman & Miller, 2007), e é distribuído em todos os níveis sócioeconômicos (Dickinson, 1970). Enquanto o percentual de alunos superdotados entre as classes superiores pode ser maior, a grande maioria das crianças superdotadas vêm das classes mais baixas (Zigler & Farber, 1985). Em todo o mundo, há mais pobres crianças superdotadas do que os ricos.




Longe de ser "elitista", programas de escolas públicas para crianças superdotadas já têm permitido que crianças economicamente desfavorecidas ou socialmente vulneráveis recebam as oportunidades de que necessitam para desenvolver seus talentos. Aqueles que querem suprimir as classes para os talentosos estão penalizando os pobres talentosos, porque os ricos podem pagar ensino privado. E muitas famílias de classe média estão escolhendo a seus filhos uma espécie de educação domiciliar dirigido pelos próprios consanguíneos diretos – os pais e os irmãos de sangue, forçando-os, muitas vezes, a reaprender dia após dia o que eles já sabem, privando-os, em contrapartilha, de desenvolverem seus dons a seu próprio ritmo, isto é, proporcionalmente à suas capacidades.




Então, o que é a superdotação? É a realização social, conforme visto pelos pais ou o desenvolvimento humano, conforme visto pelas mães? As mães têm razão. É avanço do desenvolvimento humano que pode ser observado na primeira infânciaMas a criança não avança igualmente em todas as áreas. Não raro, os superdotados sofrem de algum tipo de dissincronia, quer intelecto-emocional, quer intelecto-psicomotora, quer de linguagem e pensamento. 



O primeiro tipo de dissincronia alude ao desacompanhamento entre o desenvolvimento intelectual e o afetivo/emocional do superdotado, por exemplo, quando um pré-adolescente de 10 anos é notavelmente mais inteligente que sua classe, mas quando inserido numa turma mais adiantada, não consegue acompanhá-la devido à incompatibilidade do seu emocional com a dela, como que tendo inteligência de 15 mas emocional de 10. O segundo tipo de dissincronia alude-se ao desacompanhamento entre o desenvolvimento do intelecto e da coordenação motora do superdotado, demorando ele para desenvolver o gatinhar, o andar, o falar, o andar de bicicleta, o andar de moto ou de algum outro meio de transporte, mas, por outro lado, destacando-se notavelmente em raciocínio lógico, compreensão espaço-temporal, resolução de problemas e conflitos, dentre outras áreas. Já o terceiro tipo de dissincronia existente, é o que se refere ao desacompanhamento entre a linguagem e pensamento do superdotado com a linguagem e pensamento das pessoas normais em geral; [grifo acrescentado - é o que eu, superdotado Álaze Gabriel sofro]. No geral, quanto a esse último tipo de dissincronia podemos dizer que apesar de os normais e os superdotados, amiúde, compartilharem de mesma gramática, ortografia e sintaxe, apresentam, não raro, semânticas extremamente dessemelhantes ao pronunciarem as mesmas construções frasais.




Rita Dickinson (1970), o fundador da educação de superdotados no Colorado, informou que uma grande porcentagem de crianças superdotadas testadas quanto à inteligência e cognição nas escolas públicas de Denver foram encaminhados a tratamentos específicos em virtude de problemas de comportamento. Ela descobriu que pelo menos metade dos seus pais não tinha ideia de que seus filhos eram superdotados, e quando os pais não os reconhecem da forma como seus filhos são, a escola também não. As crianças superdotadas com maior probabilidade de serem esquecidas eram as de baixo nível sócioeconômic ou culturalmente diversificada, ou ambos.




Nos E.U.A, os meninos são muito mais propensos a serem levados para os testes de superdotação e inteligência do que as meninas.No Centro de Desenvolvimento de Superdotados, 60% das 5.200 crianças testadas ao longo dos últimos 28 anos são do sexo masculino e 40% são do sexo feminino. Os meninos são mais propensos do que as meninas para agir quando eles não são suficientemente estimulados na escola. Por isso, eles são mais propensos a chamar a atenção de seus pais à preocupação. É essencial para as meninas talentosas ser identificadas precocemente, antes de se esconder.





As crianças superdotadas e adultos veem o mundo de forma diferente por causa da complexidade de seus processos de pensamento e sua intensidade emocional. As pessoas costumam dizer-lhes: "Por que você fazem tudo de modo tão complicado?", "Por que vocês levam tudo tão a sério", "Por que tudo é tão importante para você?". Na realidade, os superdotados são "muito" de tudo. São muito sensíveis aos problemas e conflitos sociais, sejam eles étnicos, raciais, religiosos, políticos, econômicos, ideológicos ou outros quaisquer; são também muito diligentes, dinâmicos, honestos, idealistas, realistas, muito práticos e perfeccionistas, o que para as pessoas normais significa “muito”. Mesmo se eles tentarem a vida inteira para se ajustar, eles ainda se sentem como desajustados. O dano que fazemos para crianças superdotadas e adultos por ignorar esse fenômeno é muito maior do que o dano que fazemos, rotulando-os. Sem o rótulo de capacidades ímpares incontestáveis, o superdotado acaba criando seu próprio selo, como: "Eu devo ser louco. Todos estão nem aí para mim, só eu é que me preocupo com isso!”




É hora de nós reconhecermos e valorizarmos o tanto quanto possível aqueles que muito têm a contribuir com a desenvolvimento da humanidade, especialmente na era global na qual estamos vivendo: os superdotados.




REFERÊNCIAS


Cornell, D. G. (1984). Famílias de crianças superdotadas. Ann Arbor, MI: Imprensa UMI Research.


Dickinson, R. M. (1970). Cuidar do talentoso. North Quincy, MA: Christopher.


Galton, F. (1869). Genialidade hereditária: um inquérito sobre as suas leis e conseqüências. Londres.


Hollingworth, L. S. (1926). As crianças superdotadas: Sua natureza e criação. New York: Macmillan.


Johnson, L. (1993). Reflexões sobre a sobredotação. Entender Nossa dotado, 5 (5A), p. 15.


Silverman, L. K. (1986). O que acontece com a menina talentosa? Em Criador CJ (Ed.), questões críticas em educação de superdotados, vol. 1: programas defensável para o talentoso (pp. 43-89). Austin, TX: Pro-Ed.


Silverman, L. K., & Miller, N. B. (2007). A perspectiva feminina da superdotação. Em L. Shavinina, (Ed.). O manual internacional sobre superdotação. Amsterdam: Springer Science.


Zigler, E., & Farber, E. A. (1985). Semelhanças entre os extremos: Superdotação intelectual e retardo mental. No DF Horowitz & M. O'Brien (Eds.), dotados e talentosos: perspectivas de desenvolvimento (pp. 387-408). Washington, DC: American Psychological Association.


Linda Kreger Silverman, Ph.D., psicólogo e diretor do Centro de Desenvolvimento Infantil Gifted em Denver (1-888-GIFTED1). Ela vem estudando o talentoso para morenearly 50 anos e contribuiu com mais de 300 artigos, capítulos e livros.


Nenhum comentário:

Postar um comentário