sexta-feira, 23 de maio de 2014

A COMUNICAÇÃO DA PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO DE ALTO FUNCIONAMENTO, NÃO SÍNDROME DE ASPERGER X A COMUNICAÇÃO DA PESSOA COM TEA ASPERGER

 

Enquanto na Síndrome de Asperger (AS) a linguagem é pobre e a fala tem caráter erudito e pedante, nesta população (TEAAF Não SA) a fala não será tão elaborada, já que o padrão é ter QI Verbal (QIv) menor do que o QI Executivo (QIE).

A fala está sempre significativamente comprometida, em graus variados. Este é um dos diferenciais centrais do TEAAF em relação à SA. Um dos prejuízos usuais está na sintaxe (raramente encontrada na SA), onde as estruturas frasais (verbo, sujeito, preposição, adjetivo), são dispostas de forma errada.

Outras situações comuns estão na elaboração de respostas. São comuns respostas descontextualizadas em relação à pergunta, e temos também que diferenciar se ele não conseguiu montar o pensamento-resposta ou não entendeu a pergunta, devido às respostas mal estruturadas, sem começo-meio-fim. Para-respostas e respostas no interrogativo (também encontradas nos afetados pela SA) são comuns e podem persistir até a vida adulta.

Já nos indivíduos com Síndrome de Asperger não há atraso na fala e nem do uso do pronome pessoal “Eu”. A fala é preciosa, mesmo tendo a pessoa dificuldade para uma precisa, ou mesmo boa conceituação das mesmas palavras que usa.

Uma das características clássicas das pessoas com Síndrome de Asperger é a presença de QI verbal mais alto que o QI executivo, frequentemente 20%R mais alto. A fala precisa certamente é um dos subprodutos desse QIV alto, assim como a facilidade de estocagem de palavras.

Fonte : Síndrome de Asperger e outros Transtornos do Espectro do Autismo de Alto Funcionamento : da avaliação ao tratamento.
Autor : Walter Camargos Jr. E colaboradores.
Editora ArteSÁ, Belo Horizonte - 2013 

Nenhum comentário:

Postar um comentário