sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Traços de autismo encontrados em algumas crianças com TDAH



Traços de autismo encontrados em algumas crianças com TDAH


Quase uma em cada cinco crianças com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) têm características que são comuns entre as crianças com autismo, e essas características parecem aumentar o risco de sofrer prejuízos nas suas vidas quotidianas, sugere um novo estudo.


Entre as crianças no estudo com TDAH, 18 por cento tinham traços autistas, enquanto que menos de um por cento das crianças sem TDAH tinham essas características.


Crianças com TDAH e traços autistas eram mais propensos a se envolver em brigas, serem rejeitados pelos seus pares, e terem problemas na escola e com os seus irmãos, em comparação com as crianças com TDAH que não têm o perfil autista, disseram os pesquisadores em seu estudo.


Aqueles com TDAH e traços autistas também eram mais propensos a ter outros problemas psiquiátricos, como comportamentos disruptivos, transtornos do humor, transtornos de ansiedade e transtornos da linguagem.


O estudo incluiu 240 crianças com TDAH, e 227 crianças sem a doença. A maioria das crianças estavam entre as idades de 8 e 14. Os pais responderam a perguntas sobre o comportamento do seu filho. 


Os pesquisadores avaliaram se as crianças apresentaram sintomas semelhantes aos observados em crianças com autismo, como incapacidade social, apesar de nenhuma das crianças do estudo ter sintomas que foram graves e frequentes o suficiente para serem diagnosticadas com autismo.


Estudos anteriores descobriram que certas alterações genéticas estão presentes em crianças com TDAH e crianças com autismo, sugerindo que as duas condições podem compartilhar uma origem comum, de acordo com os pesquisadores, que foram liderados por Amelia Kotte, pesquisador TDAH no Massachusetts General Hospital, em Boston.


Identificar as crianças com TDAH, que também têm traços autistas pode ajudar os pesquisadores a desenvolver tratamentos para estas crianças em particular, de acordo com o estudo. Por exemplo, o seu tratamento pode necessitar de ter um maior foco na expansão de habilidades sociais .


Como o estudo envolveu principalmente as crianças brancas, os resultados podem não se aplicar a outros grupos étnicos. O estudo foi publicado a 26 de agosto na revista Pediatrics


Nenhum comentário:

Postar um comentário